quarta-feira, 27 de junho de 2012

Cemitério, o Encontro!

Leitores queridos, a essa altura vocês já sabem muita coisa sobre como esse grupo de pessoas que amam a leitura se formou, conheceram um pouquinho mais sobre esse grande escritor contemporânio, Umberto Eco e saborearam algumas cuiriosidades sobre o cemitério de Praga, palco de especulações históricas e filosóficas.
Hoje tenho a missão de contar pra vocês como foi o primeiro encontro do Crop Literário, detalhe,nem todas se conheciam, ou seja, fiquei conhecendo a Stella e a Ale no dia da reunião, pois eu só conhecia a Sandra.
Tive o prazer de conhecer a Ale e a Stella no dia deste encontro;
O fato é que passada a euforia das apresentações, tínhamos uma tarefa, que era das mais fáceis: discutir esse livro tão complexo, O Cemitério de Praga. 
Pois se tratar de um livro onde apenas o personagem principal o Capitão Simonini era fictício, e os todos os demais foram personagens históricos, alguns muito influentes como Garibaldi, e Sigmund Freud e outros não tão conhecidos do grande público tornou-se um livro com forte enredo histórico, ora estávamos na uinificação da Itália com as batalhas garibaldinas, ora na França agitada pela onda antisemita do caso Dreyfus, em comum: a presença marcante do Capitão Simonini e suas artimanhas para atender os interesses, sempre, de altos dignatários.
Sendo assim, as idas e vindas históricas do enredo tornou a leitura do grupo mais difícil, o que ocasionou uma demora na leitura do romance do Eco, mas não menos prazerosa com certeza.
Mas vamos ver como cada uma das integrantes do Crop Literário absorveu o livro:
Ale Dossena:

"Não considero O Cemitério de Praga um livro fácil de se ler. Umberto
Eco criou um romance baseado em fatos misteriosos e cheios de
conspirações. Utilizou fatos históricos como tecer uma trama repleta
de narrativas curiosas, envolvendo acontecimentos reais sendo contados
por um personagem fictício.
Um ponto positivo foi a exploração da gastronomia, onde o autor
detalha minunciosamente sobre os temperos, sabores e diversidades de
especiarias.
Embora o contexto seja romanceado, achei que o livro carrega
sentimentos pesados, como o desprezo e preconceito por algumas raças e
crenças. O que não deixa de ser uma advertência para comportamentos
que ainda presenciamos nos dias de hoje.
Com toda essa pluralidade de acontecimentos, é um desafio exigido do
leitor mas que se torna prazeroso pelo talento do autor em sustentar
todo esse mistério e desdobramentos de fatos, com bases em documentos
verdadeiros e folhetins publicados na época." 

 Paty Molina:
É um primoroso livro sobre o século XIX não necessariamente em ordem cronológica, Eco nos presenteia com idas e vindas dos acontecimentos onde temos que prestar atenção ao que estamos lendo.O leitor é apresentado á cultura do século XIX, com suas tramas políticas complexas de uma Europa que consolida seu poder, com seus preconceitos de raça e gênero, com a forte religiosidade que acoberta grandes interesses, com o nascimento de muitas ciências com destaque especial para a psiquiatria. Paralelo a este contexto intenso temos o personagem principal, Simonini, atormentado por seus conflitos internos, que no fundo se originam deste período  conturbado.
É ncessário ter persistência e coragem para ler O Cemitério de Praga, mas esse mergulho é premiado com uma trama que nos surpreende,e como na moda de Zola, "o homem é fruto do seu ambiente."

Sandra Sparremberger:
"Gostei muito do livro mas levei bastante tempo para ler. O autor recheou bem o livro com fatos históricos e políticos, o que torna o livro bem denso. Fiquei angustiada (porque já sabemos as consequências disso) e ao mesmo tempo me diverti com a visão xenofóbica da época representada pelo avô do personagem principal. Posso dizer que agora, após a leitura do livro, sei bem mais sobre a história daquele período."


Stella Glinski:
 "Miscelanea de fatos e acontecimentos históricos, o Cemiterio de Praga nos brinda com uma trama extremamente bem urdida, por vezes até emaranhada em alguns pontos, mas que com o desenrolar da história, torna-se visível o fio da meada. Se perder por esta trama não é dificil, e manter o raciocínio linear durante a leitura é quase impossivel pois a história é contada de trás para frente várias vezes.
Confesso que para mim foi um trabalho árduo ler/acompanhar as intrigas/digerir as disputas politicas/entender as entrelinhas, mas no final, ao terminar a leitura, fica extremamente clara a certeza: Eco mostrou a que veio e nos brindou com um excelentíssimo trabalho! "

E vocês leitores, já leram algo do Umberto Eco? Tiveram contato com o Cemitério de Praga? Ficaram encorajados a começarem a leitura? Contem pra gente suas experiências e se quiserem comentar também sobre textos com tramas históricas que inspiraram vocês, o espaço é este!

Além de discutirmos as complexas nuances do livro, refletimos bastante sobre a forma ideal de compartilhar nossa paixão por livros e tudo o que envolve  a leitura, e chegamos a conclusão de que criarmos um blog onde fosse mais fácil a participação de todos. E então tivemos as primeiras ideias sobre o formato do Crop Literário que vocês estão conhecendo aos poucos.

E mais uma questão importante: como decidir qual será o próximo livro? Passamos por uma leitura mais difícil e desta vez optamos por um livro com enredo completamente diferente, sugestão da Ale, A Mulher do Viajante no Tempo.

Lembrando que as discussões sobre o Livro do Mês são abertas a todos,leitores de toda parte são super bem vindos,participem também, vamos deixar esse cantinho bem gostoso.
Muito em breve vamos postar algumas enquetes para vocês participarem e contamos com todos os leitores para comentarem e darem sugestões aqui no Crop.
Obrigada pela visita de todos vocês e boa leitura a todos!
bjkas

6 comentários:

ALE DOSSENA disse...

Delícia de post Paty!!!
Você descreveu em palavras todo o contexto da nossa reunião e conseguiu me deixar ansiosa para a próxima!!!
Bjs!

Sandra disse...

Foi tão bom ter encontrado essa turma maravilhosa que ama a leitura! E que muitos mais se juntem a nós para tornar nossas conversas ainda mais ricas, seja nas reuniões presenciais ou nas virtuais, como nos posts aqui do blog!
Paty, adorei te reencontrar e reviver esses bons momentos em seu post!
bjs

Rosana Garcia Hess disse...

muito legal meninas!!!
kisses
Rosana

Stella disse...

Adorei o post Paty!
Reunião maravilhosa, né? Contando os dias para a proxima!

beijos

Dani Alonso disse...

Que delícia de encontro!!!
fiquei morrendo de vontade de ler o cemitério de praga, só tive contato com humberto eco na faculdade, mas é mais gostoso ler "descompromissadamente" se é que essa palavra existe rsrsrsrs

teve um livro do jô soares que eu li e amei, ele mostra o contexto histórico da época do império no brasil, eu adorei ler o xangô de baker street, maravilhoso.

a mulher do viajante no tempo está sendo uma leitura deliciosa, embora lenta, pois as coisas andaram tumultuadas por aqui, mas acredito que essa semana vou conseguir dar uma acelerada, está bem interessante o livro.

estou adorando esse espaço de vocês! parabéns pela iniciativa do blog! ler é tudo de bom!!

Uma linda semana!!

bjsss

Paty Molina disse...

Então Dani querida, o Jô é um cara que ama o século XIX! É particamente um historiador autodidata, e as obras deste período retratam essa complexidade de crenças e ideias desta época.
Tem uma amiga de Natal que está fazendo um grupo de leitura porque ficou inspirada pelo Crop Literário! Ler é uma delícia e quando temos a oportunidade de encontrar pessoas que apreciam a boa leitura é bom demais!
Obrigada Dani por sempre estar aqui com a gente! Vai em frente com a Mulher do Viajante, é demais!
bjkas da Paty